ROTUNDA


A COLEIRA DE BRIS

Divulgação

Combater o bom combate

 


A maioria das melhores peças em cartaz no circuito paulistano está em salas pequenas, de platéias diminutas. Circunstâncias de produção - verba parca ou nula para quem não tem o rosto exposto na mídia, conforme a cartilha neoliberal - levam os artistas a procurar soluções criativas a fim de superar a asfixia financeira e apresentar um trabalho consistente.

É certo que investimento e capital de giro reduzidos - para brincar com jargões do noticiário econômico - não garantem a qualidade proveniente da criatividade, mas há espetáculos que justificam a teoria segundo a qual a excelência não está na grandiloqüência que escamoteia encenações frouxas. A Coleira de Bóris, no Espaço dos Satyros Dois, se encaixa nesse parâmetro, o do bom teatro que não se apequena por não se entregar ao pejorativo "palatável ao gosto médio".

Dois personagens sem nome, identificados por A (Nicolas Trevijano) e B (Rafael Losso) pelo dramaturgo Sérgio Roveri, estão confinados em um espaço indeterminado. Que pode ser uma cárcere político, uma cela comum, um hospital psiquiátrico ou mesmo uma prisão interna - dirigida por Marco Antonio Rodrigues, a montagem não se fecha em uma única leitura.

B confessa ter sido levado ao confinamento, onde A se encontra há um bom tempo, por tentar "atravessar para o lado de lá". Ao dizer "Eu o condenaria por acreditar que existe alguma coisa que valha a pena do outro lado", A põe as cartas sobre a mesa. Estamos diante de um embate entre a utopia que faz a pessoa se mover mas parece inatingível e a resignação que pode levar à auto-indulgência e, por extensão, à anulação de si próprio.

B planeja a fuga, atitude da qual A desdenha. Roveri faz dessas figuras diametralmente opostas, desse choque de contrários, a matéria-prima para uma rica discussão sobre liberdade e cegueira social. "Qual o limite de violações sociais que um indivíduo (...) pode cometer ao mesmo tempo sem que isto se constitua em uma ameaça social?", questiona Rodrigues no programa da peça.

Ao longo do espetáculo, A e B passam por um processo de degradação física, mutilações que simbolizam as castrações e as frustrações que os torturam - uma contribuição do diretor ao texto. Rodrigues e os atores - louve-se o trabalho de preparação corporal - imprimem à montagem a intensidade e a visceralidade capazes de gerar a transcendência que separa o teatro de cores vivas e entusiasmado do teatro pálido e padronizado.

O autor e o diretor foram indicados para o Prêmio Shell. Roveri recebeu o Shell de 2007 por Abre as Asas Sobre Nós; Rodrigues, o de 2003 por Otelo, considerado pela Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA) um dos seis melhores espetáculos daquela temporada. Abaixo, dois trechos de A Coleira de Bóris.



Escrito por Mauro Fernando s 08h35
[ ] [ envie esta mensagem ]


A COLEIRA DE BRIS

Divulgação

A liberdade ou a comodidade, eis a questão

 


B - Perto da estação de trens da minha cidade vivia uma mulher cega. Nos finais de tarde, ela passeava pela plataforma, guiada por um cachorro cor de creme chamado Bóris. (...) Algumas pessoas se abaixavam para acariciar a cabeça do cão e eu sentia que havia algo de errado naquele gesto. Entre os dois, Bóris e a mulher cega, eu sempre achei que quem precisava de carinho era ela. (...) Eu via nela a imagem incômoda de alguém que carregava os próprios olhos presos numa coleira. Uma tarde a mulher não apareceu, nem na tarde seguinte e nem na outra. Bóris tinha morrido. Envenenado. Com a morte de Bóris, a mulher ficou cega pela segunda vez. (...) Com a morte de Bóris, eu senti que todos nós tínhamos ficado um pouco mais cegos.

(...)

A - Agora eu sei que quando não for dor o que eu estiver sentindo, você também vai querer compartilhar. Por isso que eu estou com medo de você. Quem aceita dividir a dor dos outros, assim tão depressa como você fez, é porque no fundo mal vê a hora de dividir o prazer também. Quando eu sentir algum prazer, embora isso seja muito raro por aqui, você também vai querer que eu divida com você. E eu já vou avisando: não espere isso de mim. (...) Tem coisas que não se dividem. Se você quer ser solidário, problema seu. Mas não para cima de mim.


A COLEIRA DE BÓRIS. De Sérgio Roveri. Direção de Marco Antonio Rodrigues. Com Nicolas Trevijano e Rafael Losso. No Espaço dos Satyros Dois. Praça Franklin Roosevelt, 134, São Paulo, SP. Fone (11) 3258-6345. Sextas e sábados, às 23h59. R$ 25. Até 20/12.

 



Escrito por Mauro Fernando s 08h30
[ ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]
 
Histrico
08/11/2015 a 14/11/2015
01/11/2015 a 07/11/2015
18/10/2015 a 24/10/2015
11/10/2015 a 17/10/2015
04/10/2015 a 10/10/2015
27/09/2015 a 03/10/2015
20/09/2015 a 26/09/2015
13/09/2015 a 19/09/2015
21/06/2015 a 27/06/2015
05/04/2015 a 11/04/2015
22/03/2015 a 28/03/2015
15/03/2015 a 21/03/2015
09/11/2014 a 15/11/2014
19/10/2014 a 25/10/2014
21/09/2014 a 27/09/2014
14/09/2014 a 20/09/2014
27/07/2014 a 02/08/2014
29/06/2014 a 05/07/2014
22/06/2014 a 28/06/2014
15/06/2014 a 21/06/2014
08/06/2014 a 14/06/2014
01/06/2014 a 07/06/2014
25/05/2014 a 31/05/2014
18/05/2014 a 24/05/2014
11/05/2014 a 17/05/2014
04/05/2014 a 10/05/2014
27/04/2014 a 03/05/2014
13/04/2014 a 19/04/2014
06/04/2014 a 12/04/2014
30/03/2014 a 05/04/2014
23/03/2014 a 29/03/2014
16/03/2014 a 22/03/2014
09/03/2014 a 15/03/2014
17/03/2013 a 23/03/2013
03/02/2013 a 09/02/2013
20/01/2013 a 26/01/2013
13/01/2013 a 19/01/2013
23/12/2012 a 29/12/2012
16/12/2012 a 22/12/2012
09/12/2012 a 15/12/2012
25/11/2012 a 01/12/2012
18/11/2012 a 24/11/2012
26/08/2012 a 01/09/2012
27/05/2012 a 02/06/2012
31/07/2011 a 06/08/2011
05/06/2011 a 11/06/2011
15/05/2011 a 21/05/2011
01/05/2011 a 07/05/2011
20/03/2011 a 26/03/2011
06/02/2011 a 12/02/2011
16/01/2011 a 22/01/2011
07/11/2010 a 13/11/2010
24/10/2010 a 30/10/2010
15/08/2010 a 21/08/2010
01/08/2010 a 07/08/2010
25/07/2010 a 31/07/2010
18/07/2010 a 24/07/2010
04/07/2010 a 10/07/2010
27/06/2010 a 03/07/2010
10/01/2010 a 16/01/2010
18/10/2009 a 24/10/2009
11/10/2009 a 17/10/2009
27/09/2009 a 03/10/2009
16/08/2009 a 22/08/2009
02/08/2009 a 08/08/2009
14/06/2009 a 20/06/2009
03/05/2009 a 09/05/2009
22/03/2009 a 28/03/2009
15/03/2009 a 21/03/2009
08/03/2009 a 14/03/2009
01/03/2009 a 07/03/2009
22/02/2009 a 28/02/2009
15/02/2009 a 21/02/2009
08/02/2009 a 14/02/2009
18/01/2009 a 24/01/2009
04/01/2009 a 10/01/2009
14/12/2008 a 20/12/2008
07/12/2008 a 13/12/2008
30/11/2008 a 06/12/2008
23/11/2008 a 29/11/2008
16/11/2008 a 22/11/2008
09/11/2008 a 15/11/2008
02/11/2008 a 08/11/2008
26/10/2008 a 01/11/2008
17/08/2008 a 23/08/2008
03/08/2008 a 09/08/2008
25/05/2008 a 31/05/2008
18/05/2008 a 24/05/2008
11/05/2008 a 17/05/2008
30/03/2008 a 05/04/2008
23/03/2008 a 29/03/2008
16/03/2008 a 22/03/2008
09/03/2008 a 15/03/2008
30/12/2007 a 05/01/2008
11/11/2007 a 17/11/2007
02/09/2007 a 08/09/2007
26/08/2007 a 01/09/2007
19/08/2007 a 25/08/2007
15/07/2007 a 21/07/2007
08/07/2007 a 14/07/2007
01/07/2007 a 07/07/2007
03/12/2006 a 09/12/2006
05/11/2006 a 11/11/2006
22/10/2006 a 28/10/2006
15/10/2006 a 21/10/2006
01/10/2006 a 07/10/2006
24/09/2006 a 30/09/2006
17/09/2006 a 23/09/2006
27/08/2006 a 02/09/2006
20/08/2006 a 26/08/2006
13/08/2006 a 19/08/2006
06/08/2006 a 12/08/2006
30/07/2006 a 05/08/2006
23/07/2006 a 29/07/2006
16/07/2006 a 22/07/2006
09/07/2006 a 15/07/2006
04/06/2006 a 10/06/2006
28/05/2006 a 03/06/2006
14/05/2006 a 20/05/2006
07/05/2006 a 13/05/2006
30/04/2006 a 06/05/2006
23/04/2006 a 29/04/2006
16/04/2006 a 22/04/2006
09/04/2006 a 15/04/2006
02/04/2006 a 08/04/2006
26/03/2006 a 01/04/2006
19/03/2006 a 25/03/2006
12/03/2006 a 18/03/2006
05/03/2006 a 11/03/2006
26/02/2006 a 04/03/2006
19/02/2006 a 25/02/2006
12/02/2006 a 18/02/2006