ROTUNDA


UM TREM CHAMADO DESEJO

Guto Muniz

Fernanda Vianna e Chico Pelúcio em cena: homenagem ao teatro

 

 

Nascido em 1952 em São Bernardo do Campo (SP), Luís Alberto de Abreu é um dos grandes dramaturgos brasileiros. Estreou profissionalmente em 1980 com Foi Bom, Meu Bem?, peça pela qual recebeu da Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA) o prêmio de autor revelação. Entre outros trabalhos premiados estão Bella Ciao (1982), O Livro de Jó (1993), Auto da Paixão e da Alegria (2002) e Borandá: Auto do Migrante (2003), além do roteiro do filme Os Narradores de Javé (2000), escrito com a cineasta Eliane Caffé.

Aliado à comicidade e ao lirismo transcendentes, um profundo sentimento humanista marca sua obra, inspirada nas tradições populares e solidária aos marginalizados pela sociedade. Concluiu diversas peças sob processo colaborativo, pelo qual trabalha com o elenco e com o diretor na elaboração da dramaturgia. Dois exemplos: Auto da Paixão e da Alegria, encenada pela Fraternal Cia. de Arte e Malas-Artes sob a direção de Ednaldo Freire, e Um Trem Chamado Desejo (2000), encenada pelo Grupo Galpão sob a direção de Chico Pelúcio.

A comédia musical Um Trem Chamado Desejo surgiu em livro em 2007 (lançado em conjunto por Autêntica Editora, Editora PUC Minas e Grupo Galpão), quando a trupe comemorava 25 anos de existência. A obra está disponível em www.estantevirtual.com.br com preços que variam entre R$ 8,00 e R$ 18,05. A peça, pela qual Abreu ganhou o Prêmio Bonsucesso de Artes Cênicas de melhor texto inédito, apresenta venturas e adversidades de uma companhia de teatro mineira da década de 1930, a Cia. Alcantil das Alterosas.

Contrarregra, atores, produtor, ensaiador e coristas encontram-se em um impasse: o grupo vive crise financeira e criativa às vésperas de uma estreia. A produção fracassa, e há quem defenda a encenação de um clássico em oposição a quem proclama a necessidade de um musical. O produtor, em busca da sobrevivência comercial da trupe, resolve conduzir o elenco a uma aventura pelo cinema, que já começava a ganhar contornos de entretenimento de massa. Em meio a engraçadas discussões, nas quais os personagens misturam a vida particular à artística, transparece o cotidiano de uma companhia teatral.



Escrito por Mauro Fernando s 10h15
[ ] [ envie esta mensagem ]


ACORDES

Divulgação

Celebração dionisíaca do fenômeno teatral

 

 

O Teatro Oficina, fundado em 1958 por estudantes da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP) - José Celso Martinez Corrêa, Renato Borghi, Amir Hadad e Carlos Queiroz Telles entre eles -, atravessou fase amadora antes de assumir o profissionalismo em 1961. Peças como Pequenos Burgueses (1963), O Rei da Vela (1967), Na Selva das Cidades (1967) e Os Sertões (em cinco partes, 2002-2006) marcaram a cena brasileira.

Uma das propostas do grupo, concebida pelo diretor Zé Celso (único remanescente da trupe original) na virada da década de 1960 para a de 1970, é o te-ato, pelo qual busca-se a transformação da arte em vida e da vida em arte. A ideia é suprimir barreiras entre atores e espectadores - o que tende a resultar, com a participação do público, em espetáculos vibrantes, celebrações dionisíacas do fenômeno teatral.

A companhia deixa em cartaz até hoje em sua sede, em São Paulo, o musical Acordes, inspirado em dois trabalhos do alemão Bertolt Brecht (1898-1956), um deles em parceria com o também alemão Paul Hindemith (1895-1963). A sinopse aponta: quatro aviadores pedem auxílio após acidente. A peça sugere que toda ajuda (seja solicitada ou oferecida), perante a violência social, deve ser rejeitada.

A história é suporte para as sobreposições de significados que o diretor implanta em suas montagens. Há, por exemplo, cena em que o cifrão e a suástica surgem justapostos em telão. O teatro de Zé Celso não faz concessões ao gosto médio em sua jornada artística contra o pensamento neoliberal, o que o torna imprescindível nestes tempos.

Acordes, como os outros trabalhos do Oficina, traz referências à trajetória do grupo e a Dioniso, cujo culto originou o teatro grego. Um dos momentos mais interessantes: uma réplica do 14-bis, com o qual Alberto Santos Dumont (1873-1932) voou em 1906, atravessa o palco-passarela do Oficina. A banda executa as músicas com intensidade, o que contribui para a atmosfera plena de vivacidade que o espetáculo oferta. A montagem é transmitida ao vivo em www.teatroficina.com.br/aovivo.

 

ACORDES. Dramaturgia e direção de José Celso Martinez Corrêa. Com o Teatro Oficina Uzyna Uzona. No Teatro Oficina. Rua Jaceguai, 520, São Paulo, SP. Fone (11) 3106-2818. Hoje, às 14h30 e às 20h. R$ 20.



Escrito por Mauro Fernando s 08h09
[ ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]
 
Histrico
08/11/2015 a 14/11/2015
01/11/2015 a 07/11/2015
18/10/2015 a 24/10/2015
11/10/2015 a 17/10/2015
04/10/2015 a 10/10/2015
27/09/2015 a 03/10/2015
20/09/2015 a 26/09/2015
13/09/2015 a 19/09/2015
21/06/2015 a 27/06/2015
05/04/2015 a 11/04/2015
22/03/2015 a 28/03/2015
15/03/2015 a 21/03/2015
09/11/2014 a 15/11/2014
19/10/2014 a 25/10/2014
21/09/2014 a 27/09/2014
14/09/2014 a 20/09/2014
27/07/2014 a 02/08/2014
29/06/2014 a 05/07/2014
22/06/2014 a 28/06/2014
15/06/2014 a 21/06/2014
08/06/2014 a 14/06/2014
01/06/2014 a 07/06/2014
25/05/2014 a 31/05/2014
18/05/2014 a 24/05/2014
11/05/2014 a 17/05/2014
04/05/2014 a 10/05/2014
27/04/2014 a 03/05/2014
13/04/2014 a 19/04/2014
06/04/2014 a 12/04/2014
30/03/2014 a 05/04/2014
23/03/2014 a 29/03/2014
16/03/2014 a 22/03/2014
09/03/2014 a 15/03/2014
17/03/2013 a 23/03/2013
03/02/2013 a 09/02/2013
20/01/2013 a 26/01/2013
13/01/2013 a 19/01/2013
23/12/2012 a 29/12/2012
16/12/2012 a 22/12/2012
09/12/2012 a 15/12/2012
25/11/2012 a 01/12/2012
18/11/2012 a 24/11/2012
26/08/2012 a 01/09/2012
27/05/2012 a 02/06/2012
31/07/2011 a 06/08/2011
05/06/2011 a 11/06/2011
15/05/2011 a 21/05/2011
01/05/2011 a 07/05/2011
20/03/2011 a 26/03/2011
06/02/2011 a 12/02/2011
16/01/2011 a 22/01/2011
07/11/2010 a 13/11/2010
24/10/2010 a 30/10/2010
15/08/2010 a 21/08/2010
01/08/2010 a 07/08/2010
25/07/2010 a 31/07/2010
18/07/2010 a 24/07/2010
04/07/2010 a 10/07/2010
27/06/2010 a 03/07/2010
10/01/2010 a 16/01/2010
18/10/2009 a 24/10/2009
11/10/2009 a 17/10/2009
27/09/2009 a 03/10/2009
16/08/2009 a 22/08/2009
02/08/2009 a 08/08/2009
14/06/2009 a 20/06/2009
03/05/2009 a 09/05/2009
22/03/2009 a 28/03/2009
15/03/2009 a 21/03/2009
08/03/2009 a 14/03/2009
01/03/2009 a 07/03/2009
22/02/2009 a 28/02/2009
15/02/2009 a 21/02/2009
08/02/2009 a 14/02/2009
18/01/2009 a 24/01/2009
04/01/2009 a 10/01/2009
14/12/2008 a 20/12/2008
07/12/2008 a 13/12/2008
30/11/2008 a 06/12/2008
23/11/2008 a 29/11/2008
16/11/2008 a 22/11/2008
09/11/2008 a 15/11/2008
02/11/2008 a 08/11/2008
26/10/2008 a 01/11/2008
17/08/2008 a 23/08/2008
03/08/2008 a 09/08/2008
25/05/2008 a 31/05/2008
18/05/2008 a 24/05/2008
11/05/2008 a 17/05/2008
30/03/2008 a 05/04/2008
23/03/2008 a 29/03/2008
16/03/2008 a 22/03/2008
09/03/2008 a 15/03/2008
30/12/2007 a 05/01/2008
11/11/2007 a 17/11/2007
02/09/2007 a 08/09/2007
26/08/2007 a 01/09/2007
19/08/2007 a 25/08/2007
15/07/2007 a 21/07/2007
08/07/2007 a 14/07/2007
01/07/2007 a 07/07/2007
03/12/2006 a 09/12/2006
05/11/2006 a 11/11/2006
22/10/2006 a 28/10/2006
15/10/2006 a 21/10/2006
01/10/2006 a 07/10/2006
24/09/2006 a 30/09/2006
17/09/2006 a 23/09/2006
27/08/2006 a 02/09/2006
20/08/2006 a 26/08/2006
13/08/2006 a 19/08/2006
06/08/2006 a 12/08/2006
30/07/2006 a 05/08/2006
23/07/2006 a 29/07/2006
16/07/2006 a 22/07/2006
09/07/2006 a 15/07/2006
04/06/2006 a 10/06/2006
28/05/2006 a 03/06/2006
14/05/2006 a 20/05/2006
07/05/2006 a 13/05/2006
30/04/2006 a 06/05/2006
23/04/2006 a 29/04/2006
16/04/2006 a 22/04/2006
09/04/2006 a 15/04/2006
02/04/2006 a 08/04/2006
26/03/2006 a 01/04/2006
19/03/2006 a 25/03/2006
12/03/2006 a 18/03/2006
05/03/2006 a 11/03/2006
26/02/2006 a 04/03/2006
19/02/2006 a 25/02/2006
12/02/2006 a 18/02/2006